Reportagens

Afastar-se de Deus também é morrer, acreditam evangélicos

Marcelo Toschi, pastor da 1ª Igreja Batista 

“Do fruto das árvores do jardim podemos comer, mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: dele não comereis, nem tocareis nele, para que não morrais.” O trecho do diálogo entre Eva e a serpente, registrado na Bíblia, no livro do Gênesis, é o primeiro significado do que é morrer para os evangélicos. Deus é vida e, se afastar dele, é morte. Não fosse o “pecado original”, todos teríamos a vida eterna.

Na tradição evangélica, com base na Bíblia Sagrada, a morte pode ser dividida em três componentes: corpo, alma e espírito, explica Marcelo Toschi, pastor da Primeira Igreja Batista de Araçatuba. O espírito é responsável por fazer o intermédio entre a pessoa e Deus. O corpo é a parte física, que serve como receptáculo do espírito. Já as emoções e sentimentos do homem estão na alma, que é imortal.

SALVADOR
Quando o corpo físico perde a vida aqui na Terra, os evangélicos creem que a alma terá um destino de acordo com a fé que o indivíduo praticou. Se ele tiver aceitado Jesus como salvador, terá vida eterna ao lado de Deus. Do contrário, a alma estará condenada à morte.

Sabendo que a morte física não é o fim, é mais fácil para um evangélico aceitar a perda de um ente querido que tenha morrido dentro dos preceitos religiosos. "Para nós, que cremos em Jesus, a nossa vida começa, de fato, após a morte," diz Toschi.

"Para nós, que cremos em Jesus, a nossa vida começa, de fato, após a morte," diz Toschi

CULTO
Segundo ele, nos velórios de evangélicos, o clima de conformidade e aceitação é maior. Existe, obviamente, tristeza por conta da saudade, pela ausência de não ver mais diariamente aquela pessoa que se ama. Entretanto, nessas ocasiões, é comum haver cerimônias de Culto a Deus para que a família do morto seja confortada espiritualmente. Não se ora por quem morreu, pois acredita-se que todo o trabalho de busca pela vida eterna só pode ser feito aqui na Terra.

O luto daqueles que ficam é tratado com carinho e atenção, como afirma o pastor. “O homem se enluta em diversas áreas da vida e isso deve ser respeitado. O luto faz parte do ser humano e deve ser entendido como natural devido à proximidade entre quem morreu e os que ficaram, mas a fé nos fortalece e nos ajuda a superar”, diz.

A fé em Deus e a certeza de que Jesus Cristo é o único caminho para a boa eternidade fazem com que a morte seja encarada sem medo pelos evangélicos. Esta passagem nada mais é que um "até breve" para um reencontro em um lugar muito melhor.

O luto daqueles que ficam é tratado com carinho e atenção, afirma o pastor

Texto: Guilherme Leal
Fotos: Alexandre Souza - 07/10/2015
Edição: Sérgio Teixeira

A morte sem tabus Designed by Templateism | MyBloggerLab Copyright © 2014

Tecnologia do Blogger.